15 de dezembro de 2010

A cagada continua - Tribunal proíbe livro de contos na escola pública

Será que a mania vai pegar? Depois do CNE, que censurou Monteiro Lobato, agora é a vez do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) probir novas distribuições do livro “Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século” nas escolas de Ensino Médio da rede pública. Isso porque ele traz o conto “Obscenidades para uma dona de casa”, do “araraquaroso” Ignácio de Loyola Brandão. Caso a Secretaria descumpra a decisão, terá de pagar multa de duzentas pilas “por cada” exemplar distribuído.

Curiosa a postura do TJ. Proibir uma centena da melhor produção literária nacional por causa de um único texto que contém alguns turpilóquios? Se fosse por conta deles, Sodoma seria fulminada mesmo que ela só tivesse um único pecador. Mas o pior é que o Tribunal, onde se espera poder encontrar pessoas esclarecidas e cultas, demonstra não ter a menor compreensão de um texto literário genial, que denuncia justamente essa mentalidade que considera o sexo como algo sujo e pecaminoso, e que é apenas uma das faces da repressão sexual contra a mulher. De maneira que o que o TJ está censurando é um texto profundamente feminista, antes de ser minimamente indecente.

Indecente é a política educacional do nosso estado. Ou melhor: ela era indecente, quando era exclusividade da SEE. Agora que chegou ao TJ, passou a ser pornográfica.

3 comentários:

O autor dos rebentos disse...

Meu amigo, esse seu comentário sobre a decisão do CNE sobre o Caçadas de Pedrinho possui um viés que foi adotado pela grande mídia, a saber, a Falha de São PAulo, que integra o PIG (Partido da Imprensa Golpista.
Na verdade, não se trata de veto ou censura, mas foi solicitado por um pesquisador de antropologia ao MEC e ao CNE que fosse inserido um comentário, um prefácio ao livro, com considerações e atualizações.
Claro que o Monteiro Lobato, grande pensador e escritor pré-moderno, não pode ser responsabilizado por isso, seria um anacronismo, afinal, mesmo os grandes em sua época podem emitir seus preconceitos e senso comum na literatura, nas artes, na filosofia e mesmo na ciência (o que foi afinal, o racismo, senão filho das ciências biológicas e sociais, como a etnologia, disciplinas do século XIX, como já estudou Michel Foucault.
Esta questão está melhor desenvolvida em alguns blogs progressistas, como o do Luís Nassif e outros. Abraço.

José Carlos Antonio disse...

Olá Bartolomeu,

Estou retribuindo a visita que fez ao meu blog Nave Escola (http://navescola.blogspot.com). Gostei do seu blog e já inclui nos meus favoritos. Parabéns!

Abraço,
JC

Mauro Bartolomeu disse...

Caro autor dos rebentos, obrigado pela colaboração. Você parece ter razão em suas colocações (Nassif diz inclusive que se trata de uma falsa polêmica). Se houve exagero no viés adotado pela "Falha de São Paulo", ele sem dúvida chegou até à ABL, que houve por bem se pronunciar em defesa de Lobato. Seja como for, vamos continuar aguardando o resultado das ações prescritas pelo CNE, que ainda pode sim dar pano para mangas...