30 de maio de 2011

Tucano leva professor no bico


Só para lembrar, o salário do professor no estado de São Paulo está defasado em 36,5%, de acordo com a Apeoesp (mas quem conhece história sabe que a defasagem é bem maior...), e o aumento proposto pelo governo não chega a 8% (mas ele diz que é de 13%, porque conta com a incorporação da gratificação). Alckmin tenta levar os professores no bico e convencê-los de que o aumento de 42,2%, parcelados em quatro anos, conseguirá repor as perdas salariais acumuladas até lá. Mesmo que o país consiga manter a meta de inflação para os próximos dois anos em 4,5% ao ano (o que, convenhamos, não vai acontecer...), Geraldinho dá mostras de ser tão bom em matemática quanto seu antecessor.

"(...) Somos forçados a refletir sobre os "ganhos" dos profissionais do magistério através dos anos, como já nos referimos: permissão para acumular dois cargos públicos, férias prolongadas, aposentadoria especial e jornada reduzida de trabalho, em contraste com os salários reduzidos que recebem. Que profissão é essa que merece tanto reconhecimento pelo "esforço" dispendido e é tão mal remunerada pela prestação do seu trabalho? Trocariam os professores tantas "benesses" por um salário condigno que lhes permitisse trabalhar em uma única escola?"

"Temos que resolver o problema central da questão: tornar a carreira do magistério objeto de desejo da juventude que está terminando o ensino médio; oferecer uma formação sólida, um salário inicial atraente, um plano de carreira promissor". Mozart Ramos, no seminário sobre o Plano Nacional de Educação da última sexta-feira, 3 de junho. Fonte: portal da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

charges de Arnaldo Martinez

2 comentários:

ratos disse...

É isto aí prof. Arnaldo continua na ativa... abraços Henrique Dutra

ratos disse...

É isto aí Prof. Arnaldo continua na ativa como sempre... Salve!!! abrs.. Henrique Dutra