9 de fevereiro de 2009

A palhaçada continua

Nas semanas que antecedem o reinado de Momo, a palhaçada continua correndo solta. Eis que a APEOESP insiste em anular a provinha dos temporários, o que já nos rendeu o adiamento do início das aulas. A política da APEOESP continua sendo a de barrar os ingressantes, que naturalmente se saem melhor em avaliações desse tipo do que os profissionais que já faziam parte do quadro do magistério e que, portanto, dispõem de pouco tempo para estudar. Seja como for, mérito é mérito. Queria ver se o presidente da APEOESP, gerenciando uma escola particular, também rejeitaria um profissional melhor qualificado apenas para se adequar a uma ética trabalhista.
Fui aprovado no concurso de 2003, mas só fui chamado a assumir as aulas em agosto de 2004. Nessa ocasião o sindicato também se organizava para exigir que os candidatos aprovados só ingressassem no início do ano seguinte, pois o ingresso no meio do ano prejudicaria o desempenho dos alunos e a vida dos professores temporários que já tinham assumido tais aulas e blablablá. Mas ninguém se lembrou de exigir que fôssemos chamados já no início de 2004… E ainda queriam que apoiássemos a luta! Foi meu primeiro contato com a APEOESP, e essa primeira impressão justifica o fato de eu nunca ter me filiado ao sindicato.
Que fique bem claro: eu critiquei a provinha pontualmente, primeiro porque não teve o valor de um concurso para efetivação, depois porque foi elaborada com base no material implementado no ano passado, que é uma porcaria, e por fim porque é incoerente cobrar conhecimento do professor quando não se oferece a ele condições para sua formação continuada. As videoconferências sobre o novo material, por exemplo, só foram oferecidas no final do ano, e ainda assim só para alguns poucos professores! Mas não sou contra a avaliação em si mesma. Ela ainda é o único mecanismo para garantir um mínimo de qualidade no ensino público.

3 comentários:

Alexandre disse...

Esse é o Mauro! Mandou bem companheiro.

Anônimo disse...

Tô te estranahando, Véio. Como é que um nadaísta tá agora na militância?

Quanto à prova, eu também não gostei. A de sociologia estava uma grande porcaria, não foi sequer revisada antes de nos apresentarem um amontoado de questões tolas. Sua anulação foi o pior que poderia contecer, pois eu havia ficado em primeiro!

O Serra é um cara "legal", ou melhor, muito mais legal que o José Genoíno ou os trouxas radicais do PSTU, PCO, PSOL.

Um forte abraço.

Um conselho: as coisas que escreve não são de esquerda, é claro, mas te deixam muito perto deles, pois eles não entendem o que você quer dizer e daí, daqui a pouco, você vai virar líder de bundas sujas.

Mauro Bartolomeu disse...

Valeu, meu amigo Fernando Campos! De vez em quando tenho impulsos de um Nadaísmo ativo, que substitui aquele apenas contemplativo. Lembre-se de que o terrorismo é o oposto do conformismo!
Quanto à esquerda, se é que ainda existe, tem pelo menos uma qualidade inegável: ser contrária à direita! Abraço.